Como montar uma sala de ginástica em seu prédio

Link encurtado para a publicação: http://goo.gl/nV0aO

Bem equipadas, salas de jogos e de ginástica se transformam em espaços de convivência dentro do condomínio.

Se o seu prédio é antigo, talvez já esteja na hora de reformar o salão de jogos e a sala de ginástica. Se o condomínio é novo, certamente ainda nem dispõe dessas áreas totalmente montadas. Para um caso ou outro, trate com muito critério essa parte do prédio. Afinal, elas podem garantir agradáveis momentos de lazer para moradores de todas as faixas etárias. Enquanto o mobiliário para uma sala de jogos é bem conhecido, para montar uma sala de ginástica são necessários aparelhos que nem todos dominam, principalmente os condôminos que não têm o hábito freqüente de se exercitar. Afinal, o culto ao corpo e os cuidados com a saúde são fenômenos relativamente novos no Brasil – mas que ganharam, definitivamente, seu espaço dentro dos condomínios com as salas de ginástica. A grande vantagem de ter os mesmos aparelhos de uma academia no prédio é a comodidade e o conforto, pois é muito mais prático descer ou subir alguns andares para ter acesso à bicicleta, esteira e aparelhos para musculação do que pegar o carro, enfrentar o trânsito e o risco de assaltos para se chegar à academia. Além do mais, uma bicicleta ou esteira num canto do apartamento pode se transformar num “elefante branco”, enquanto que a sala de ginástica do condomínio costuma se transformar num ponto de encontro de vizinhos adeptos da boa forma, e é muito melhor fazer exercícios em boa companhia do que sozinho.

Apesar de não faltarem vantagens para montar uma academia no condomínio, as dificuldades que o síndico enfrenta ao escolher os aparelhos são grandes. A variedade de modelos de um mesmo produto disponível no mercado é imensa. O síndico deve procurar uma loja idônea e especializada, e não apenas os aparelhos mais baratos. O indicado é investir em equipamentos profissionais ou semi-profissionais, e não de uso doméstico. Fazer uma pesquisa entre os condôminos para conhecer quem serão os usuários da academia, e se a maioria será de homens ou mulheres, também ajuda a comprar os equipamentos certos.

É preciso, ainda, verificar se o espaço disponível é adequado para a montagem de uma academia. A sala deve ser ventilada e possuir piso emborrachado ou de madeira, pois pisos frios, mesmo com o uso de colchonete, podem causar incômodo durante a realização de exercícios no chão.

Um detalhe importante: o zelador precisa conhecer a manutenção básica, necessária para o bom funcionamento dos aparelhos (vincule o treinamento do zelador já na hora da compra dos produtos). Com a planta do espaço em mãos, empresas especializadas em montagens de salas de ginástica costumam preparar um lay-out com todos os aparelhos utilizados. Mesmo em espaços reduzidos é possível montar uma academia, com pelo menos uma esteira, bicicleta e estação de musculação. Aliás, as estações de musculação são as estrelas desses espaços, pois permitem fazer 30 ou mais diferentes exercícios, trabalhando diversos grupos musculares. Por isso, o ideal é contar com o apoio de um professor de Educação Física e os condôminos interessados podem dividir o custo desse profissional.
Vale destacar que a contratação desse profissional, da área de Educação Física, deve ser credenciado pelo CREF (Conselho Regional de Educação Física).

Este órgão fiscaliza e identifica irregularidades no uso de equipamentos e na forma de contratação de profissionais. A fiscalização do Conselho poderá abrir um boletim de ocorrência em uma delegacia e o condomínio pode ser autuado por permissão de atividade ilícita.

A academia pode ser montada em um espaço adaptado desde que siga algumas orientações básicas e importantes como:

Planejamento: a escolha do local deve ser de acordo com o número de condôminos, o espaço dever ser claro e arejado, o piso revestido com material antiderrapante para evitar acidentes como escorregões e dar melhor aderência aos equipamentos.

Contratação de profissional habilitado: é fundamental. Existem empresas ou profissionais que prestam assessoria, desta forma não é necessário aumentar a folha de pagamento do condomínio com férias, décimo terceiro salário, etc.
Neste caso há duas formas de se fazer o pagamento: rateio feito por todas as unidades do condomínio ou o rateio feito apenas entre os apartamentos que irão utilizar os serviços. Outra opção é o condomínio procurar por uma boa academia no bairro e fazer uma parceria.

Equipamentos: na hora da compra, opte por equipamentos da linha profissional que são usados nas grandes academias. Aparelhos para uso domésticos, de menor valor, se depreciam em menos de dois anos.

Equipamentos necessários: esteiras, bicicletas ergométricas, colchonetes, halteres, caneleiras, bastão e estação de musculação são essências.

Regras para utilização da academia:
estabelecer regras é extremamente importante, pois através delas terá controle de quem freqüenta o espaço e a maneira de manuseio dos equipamentos. Deve haver dias e horários de funcionamento que deve respeitar as leis do prédio ou condomínio e uma cláusula dando ao usuário a responsabilidade de repor qualquer equipamento por ele danificado.

Exame médico: É necessária a liberação de um médico para a prática de atividade física do morador, assim como também um termo de responsabilidade assinado pelo mesmo, por eventuais danos a saúde.

Acesso restrito: é importante deixar liberado o acesso a academia somente para moradores do condomínio.

Manutenção dos equipamentos: garante a durabilidade do material, que pode ser feito pelo próprio funcionário do prédio orientado pelo fabricante. Geralmente durante o prazo de validade a manutenção é mais uma limpeza do equipamento. Porém, um contrato de manutenção preventiva após o término da garantia é uma forma de evitar problemas.

Fonte: Licita Mais – 10/01/2012


Tags: , , , , , ,